Santa de fato mas não de direito (canônico)?

A contradição entre a crença dos devotos e o não reconhecimento da santidade da personagem curitibana pelo Clero, é o ponto de partida da peça Maria Bueno – A Santa (tipicamente) Curitibana, do diretor César Almeida, em cartaz no Teatro Novelas

As devotas e os devotos de Maria Bueno vieram a reverenciá-la, provavelmente, em algum momento frágil de suas vidas em que, por força da tradição e da cultura recebida sobre a “Santa” do Cemitério Municipal de Curitiba, aderiram ao culto. Aderiram porque esta opção lhes pareceu melhor ou porque suas súplicas a diferentes objetos de veneração já não davam resultados.  Para essas pessoas devotas, questionar os poderes de Maria Bueno estaria fora de cogitação. Para o Clero, porém, ela nunca foi Santa.

Essa contradição é o ponto de partida da peça Maria Bueno – A Santa (tipicamente) Curitibana, do diretor César Almeida com a Cia. Rainha de 2 Cabeças, em cartaz no Teatro Novelas Curitibanas, com  Kassandra Speltri  no papel de Maria Bueno. A peça não questiona a fé, mas o culto a Maria Bueno poderia ser relacionado ao que o filósofo David Hume (1711-1776), conhecido por provocar a crise da metafísica, denominaria um hábito mental sem fundamento real, resultado de um processo cultural.
Um dos aspectos mais instigantes da peça é o exame constante da liberdade sexual da personagem principal, justaposta à hipocrisia da sociedade e à banalização da fé. Essa ênfase na sexualidade, através dos dados biográficos sobre os muitos homens de Maria Bueno, ilustra o porquê da polêmica em torno de sua imagem. Espectadores mais emocionados poderiam até pensar que a peça difama Maria Bueno, mas longe de denegrir a sua imagem, César Almeida expõe como a Igreja rejeita a santidade da mulher, ao mesmo tempo em que a sociedade a vampiriza para satisfazer suas taras. Embora a peça elabore o caráter falso do curitibano, coerente com a biografia da protagonista, o tema da  intimidade podre das famílias é universal e intemporal.

Quando escrevi a reflexão para o livro comemorativo dos 20 anos da Cia. Rainha de 2 Cabeças, publicado em 2003,  disse que um dos desafios de César Almeida, como dramaturgo e diretor, poderia ser “ampliar a reflexão de seus públicos sobre as relações de poder entre os gêneros.” Foi justamente essa ampliação que gostei de encontrar no trabalho atual. O texto enfatiza a experiência singela da moça pobre que deixa Morretes e vem para Curitiba não só para tentar a sorte, mas porque foge da violência do próprio pai, que ironicamente prevê todas humilhações pelas quais ela passaria. Abusada pelo patrão Barão (Carlos Vilas Boas) e pela Baronesa decadente (Ludmila Nascarella) para pagar suas dívidas com sexo, violentada e, finalmente, vítima de um assassinato passional aos 29 anos, Maria Bueno morre sem viver um amor idealizado.

A Maria Bueno de César Almeida é uma mulher que lutou para se emancipar num mundo sem opções de emancipação. Neste sentido, a sua elevação a status de Santa é coerente com uma cultura messiânica, em que os oprimidos naturalmente buscam, nos mártires, conforto e forças para enfrentar suas desgraças pessoais. Seria enorme o impacto do assassinato de Maria Bueno sobre todas as mulheres de classe sócio-econômica inferior, as lavadeiras, prostitutas e empregadas domésticas abusadas por seus patrões e que encontraram, na moça decapitada e esquartejada pelo soldado machista, um símbolo espiritual.

* Margarida Rauen é diretora cênica, com vários trabalhos de crítica, roteiros de performance e pesquisa. É professora doutora em dramaturgia e encenação.

http://www.bemparana.com.br/index.php?n=16620&t=santa-de-fato-mas-nao-de-direito-canonico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *